segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Um verso sem começo, para um fim idealizado

No espaço em branco, o sussurro das palavras reverbera.

E chega a confundir-se com a realidade externa,

A minha realidade intrínseca, que veementemente espera

Passar a inquietude dos dias eternos.




PS: Prometo que essa fase melancólica vai acabar. rsrsrs...

6 comentários:

Tatiane Trajano disse...

Desejo que seja breve!

Valéria Sorohan disse...

Com melancolia ou sem ela, adoro a forma como vc escreve!!!

BeijooO*

Léo Santos disse...

Guria, tu escreves muito bem! Mas, quer um conselho? Deixe de melancolia, pois, tu mora na Bahia... Deixe para mim que estou nesse momento debaixo de um frio de 5°C as mazelas da melancolia! Vá a praia, que aí tem praia, não é como aqui que só tem a beira dum rio gelado. Vista-se com poucas roupas coloridas e saia rindo por aí, pois, não estás aqui em meio a essa antipatia geral, causada pelo frio... Essas mulheres pálidas enroladas em roupas que mais parecem cobertores... Tchê! Que coisa chata!

Um abraço!

Erica Vittorazzi disse...

É chega de melancolia, apesar de ser bonita a inspiração que ela traz!

Beijos

disse...

Repito o dito acima, ''com ou sem melancolia, adoro o que vc escreve''.
hahahaha :D

Tatá disse...

gostei mesmo e me identifiquei ctg e com seu blog (:

Ocorreu um erro neste gadget