segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Petição


Hei de compreender-te
sentimento fatal de afeição...
vens e vais como as
chuvas de verão...
não te demoras em lugar algum,
e ao mesmo tempo,
esperas a eternidade
para se fazer valer de testamento...
vives da emoção, e da cegueira,
de quem, devotamente,
o deixa habitar no regaço...
e enches o peito até rebentar
de poesias e emoção...
Diga-mo que queres...
que vantagem levas em marejar
olhos tão desgarrados,
em macerar tão pobre carne,
com dores tão intensas,
que atinjem a alma?
Ainda hei de convencer-te ,
sentimento traiçoeiro de amor, a partir...
poderias deixar meu coração livre,
até amanhã de manhã?
concederia-te ainda um sonho,
desde que este fosse terno e deliberado...
amanhã, de malas prontas,
poderias viajar, e afetar outros corações....
novos...
deixai o meu em paz!!!!
permitas que as lembranças,
descansem tranquilas, e cessem...
e não mais me assombrem...
Ainda verei-te partir,
óh paixão arrebatadora...
esperaria todo o tempo,
se não estivesse certa da tua inutilidade...
como poderia ser tão certa esta partida?
se escrevo, ao mesmo tempo que sinto...
como poderia eu, de certo modo argüir-te de entristecer-me?
ahhh, qual entranhado estás,
que nem com as unhas consigo
retirar-te do meu peito sangrando...
só te peço, mais uma vez:
deixai-me, deixai-me!!!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

as palavras pintadas...

Não sei dizer o quanto há em mim de saudade...

só sei que o vento que sacode as tardes, trazem-me o frescor das lembranças.

e o cheiro das damas-da-noite, rescendem na madrugada, um odor de desejo...

na verdade, há uma nova tonalidade de verde cobrindo as paredes ensanguentadas de tristeza...

o tempo vai rolando devagar os segundos nos relógios:tictac...

ora ou outra vasculho os ponteiros em busca de futuro...

nova sombra azul-turquesa, o céu da íris estrelada de sonhos...

nos lábios, um batom cor de paixão inebria os olhos...

e do interior vão brotando versos estranhos...

a tez, branca como uma rosa, demonstra a eternidade das coisas abstratas...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Sem Rima nem Nada...



--------------------------


A manhã despertou cheia de medos....

nuvens pesadas de grossas gotas....

os sonhos da noite se escondem nos armários,

e rescende um cheiro de café...

cheiro amargo de dúvida,

cor sem brilho de solidão....

lá fora está como o meu coração...



--------------------------

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

A redoma da covardia


Se eu tivesse coragem não estaria aqui tão incerta,

com os pensamentos dia-a-dia vagando a esmo

pelas perguntas sem resposta.

passo devagar, mente concentrada, olhos voltados para o interior,

em palavras, gestos, que reacendem na memória

a esperança quase ilusória

de um algo-mais que ficou para trás...

na superfície ígnea da falsa compreensão,

das palavras não-ditas,

presas em olhares flamejantes...

um quê-de-mistério, de-saudade rondam as lembranças,

e trazem de vez só, uma vertigem louca, um medo impetuoso,

de perder devagar, a mesma essência do olhar,

daquele minuto inesperado,

que se dissipa nas fibras nervosas em constante agitação...

Se eu tivesse coragem,

me atiraria de vez da pedra mais alta,

neste oceano escuro de lágrimas secas, e nadaria o mais profundo que pudesse,

sem medo do que ira encontrar...

Se eu tivesse coragem, aí sim,

despejaria de uma só vez,

todo o acervo de versos, segundos, horas, meses perdidos a tentar transpor

a longíqua distância que me separa do pensamento da lembrança,

para o futuro tão almejado em sonhos...

Se eu tivesse coragem, não me prenderia a vocábulos,

e me jogaria no tempo e momento que pude viver...

dessas tantas, só sei que o passado leva consigo as oportunidades, e a única coisa

que o futuro traz, é a curiosidade...


sábado, 22 de novembro de 2008

a dor da razão icrustada...


-------------------------------


as lágrimas fervem detrás das pálpebras cansadas...
meu coração explode em soluços silenciosos,
e um bolo de comida mal digerida e loucura
tapa a garganta dilatada...
sim, minha voz silenciou-se,
e meu rosto desesperado, queima de febre e delírio...
minhas costas pesam de responsabilidade...
meus ossos há pouco formados não têm sustentação para tantos anos exigidos...
e sinto-me cair...
o chão agora parece tão próximo...
o horizonte desaparece devagar, á medida que as pedras do caminho se tornam mais sólidas...
teria o vento me derrubado, ou não consigo suportar a cruz?
da responsabilidade, do medo, dos elogios, das cobranças, das esperanças depositadas...
meu Deus, o getsêmani éh mais escuro do que imaginei...
não sei se estou preparada para tudo isso...
meu suor respinga na terra, como as gotas da chuva que não ocorreu,
e o cheiro da terra chega às narinas...
que aberração...sempre imaginei que suportaria qualquer coisa,
que estava preparada para tudo...
que engano!!!!
e mais uma vez vou me levantando...
mais uma vez, tenho de seguir anexando as responsabilidades...
que aos poucos vão enchendo, enchendo...
até não restarem mais espaços....
talvez, tarde demais, meu coração exploda de tristeza...
uma tristeza mais doída que a que sinto agora!
sinto uma tontura, uma náusea absurda...
as mãos ainda espalmadas ao chão,
tateando à procura de apoio, de razão, de solidez,
de amor???
a liberdade é apenas um nome...
porque até agora só conheço a razão...
esta que causa uma indigestão tão grande,
a razão, que prende-se à goela,
travando a garganta das palavras profundas do ser...
tão superficiais parecem os grunidos,
que do abrismo da garganta saem, cheios de antropofagismo, canibalismo...
e o verdadeiro sentimento vai dissolvendo-se na circulação,
chegando infecciosas aos tecidos, até de uma vez cair com o rosto ao chão...
misturo-me à terra...
a terra que viu todas as coisas serem formadas,
e misturada ao pó, e ao suor,
ergo-me
sem saber se realmente estou preparada para o resto do caminho...
sinto apenas na circulação, o veneno do meu proprio ego...

---------------------------------

the mirror


Hoje olho pra mim, e sinto-me tão diferente...

Meus pensamentos parecem mais vivos e firmes...

meus olhos expressam o desejo de ser algo mais realista.

Sim, olhos firmes como pedras!

Meu "eu" tornou-se tão vigoroso, tão seguro de si, tão confiante....

se desmancha em palavras e discursos repletos de imagens e sons...

meu riso não é mais ingênuo....denota maturidade.

Um misto de sentimentos percorre minha mente,

e minha fronte parece duvidar...

esses minutos de plena confiança parecem ruir frente ao espelho!

Vejo o meu rosto vário...

meu corpo, minhas mãos, e realmente não sei o que sou....

por alguns segundos tento desvendar o que se passa na cabeça desse ser tão semelhante à frente,

vejo seus movimentos, esmero-me em decifrar a linguagem corporal...

nada!

percebo o quanto não me conheço...

percebo o quanto sou diferente de mim...

mas ,novamente,

Todos os raios de sol, e as brisas, e os perfumes das flores, e a chuva de verão, exalam pelos meus poros, e torno-me tão tropical quanto sou...

no entanto as diferenças continuam crescendo em mim...

Toda a musica, toda a poética, todo o brilho da noite , piscam reluzentes nas minhas pupilas....

e vejo o quanto há em mim de mistério...

o quanto não posso me entender...

Ainda há um contraste em mim.....

eu, e o lado de lá do espelho.

Será que somos tão diferentes????

Na verdade apenas uma projeção de mim....uma imagem virtual, que só me mostra os defeitos, só acusa e intimida!!!

uma releitura cruel e dolorosa...

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

EPÍSTOLA


De que te comoves meu amor?
das lágrimas de vidro que dilaceram
meus olhos selvagens,
ou dos soluços silenciosos
que arrebentam a garganta e o peito,
em solavancos absurdos...
Ahh, a cabeça já não sofre mais
com a pretenciosa indiferença,
e minhas mãos cansadas de escrever,
despejam palavras sem dono, criptografadas de um sentimento delirante...
O que espero então?o que diz o teu olhar vago e distante?
as tuas palavras chegam a mim como o eco de emoções remotas,
quase ilusórias,
e caem no meu coração, despejando-se
como estalagmites e estalactites...
Ai amor, por que te comoves?
desta situação deplorável de perda,
uma deriva sem fim, que separa-nos
a cada pulsar dos aurículos...
Ahh meu bem, meu coração já nem
dói mais, nem minha mente descontrola quando leio teu nome.
A ignota distância já cumpriu o seu papel, de transformar-te numa
emblemática e frágil imagem de vidro.

terça-feira, 21 de outubro de 2008


Eu queria me esvaziar de tudo o que sinto agora,

como se esvazia um vaso com água...

queria planar como uma folhinha que o vento leva,

errante à frente do horizonte...

mas não só ser carregada,

quero voar, subir, vencer a gravidade que me prende ao chão,

subir, subir e chover meu coração...

queria que num grito minhas angustias dissipassem...

queria um futuro sólido...

queria cair no mar,

ser concha,

ser peixe,

ser canoa,

ser corrente...

e flutuar sobre os mares,

e voar sobre os ares,

e ser livre para ser eu!!!

Eu, eu, eu dentro de mim, perdida...

descalça sobre o chão batido,

cabelos revoltos ao vento,

coração pulsando,

leve, livre...

a briza azul-fresca do mar roçando o rosto...

a felicidade está mais longe do que posso avistar,

mas posso sentir o seu frescor na brisa...

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Quem sou eu...


...uma garota, nem tão bonita, nem tão esperta,
nem tão inteligente, nem tão apaixonante....
esforçada talvez, engraçada talvez...só sorrisos...
nem assim tão legal ou divertida, apenas levemente salgada...
mar, sol, ar..."meu rosto vário desorienta as firmes pedras"....
o quê então....um misto de ficção, de fantasia, e concreto, cimento armado!
apalpável... não como a gisele bundchen que todos só conhecem as fotos...
eu de carne e osso!!!!
mil poesias se perdem dentro de mim, e os versos constroem meus sorrisos, e lágrimas, e cantos e danças, e sonhos....
eu estátua gelada e pálida de marmore, vejo o tempo passar sob a abóbada da acrópole antiga....
não sou tão velha, tenho a idade dos velhos românticos....
e fresca como a brisa azulceleste....
eu sou assim, de paixão, sentimento, emoção....
trago às costas, uma mochila e um violão....mas na cabeça, todos os sonhos do mundo!!!!Igualdade, amor, fraternidade, grito nas esquina....
nem tão bonita, nem feia....nem tão inteligente nem tão burra....
delirante talvez....teimo em ir contra o vento....
minhas pálpebras cansadas explicam isso....
"e o fim é belo incerto"....
eu assim, poesia, saudade, tristeza....
olho o horizonte e não me encontro....
a essencia de mim no ser amado, que ainda nem conheci,trescala....
o reflexo de mim nalgum lugar do mundo...
e eu aqui,
nem tão bonita, nem tão esperta, nem tão apaixonante...l
evemente salgada, sem graça,tipo comida de doente,
mas vá lá,talvez meiga, solitária, apaixonada....
tudo atás do sorriso de lata...
eu só sorrisos, só brisa, só canção....
meu violão chora as modinhas de solidão,
e meu coração chora as mágoas de saudade...
eu verde-esperança, e templo de pedra....
nem sereia, nem afrodite....
mas voz e violão...
nem bonita, nem feia, nem fede, nem cheira...
poeira cósmica!
eu de encontros e desencontros...
leituras e releituras, contexto e contextualização....
a gramática não convence,
prefiro ser coisa, ser rã ser árvore...
mas por que diabos as
"formigas entram em casa de bunda"?
e a maré sobe, a lua soergue no céu....
a "lua no céu...a lua no mar"
e eu "na torre a chorar"...
eu, nem tão bonita, nem tão feia....
meu eu-poético esvaí-se em versos acres como o cigarro fumado entre cafezinhos...
vai um fósforo?acenda teu cigarro....
eu, metamorfose ambulante,eu em busca de mim....
quando nasci um anjo torto desses que vivem na osmbra disse:
-"vai Aline, a vida te espera....seja Goche, seja esquerda, seja você mesma!"
não sou tão feia que não possa casar"....e acredito em parto sem dor....
assim, nem bela, nem fera....
mas fresca...
leve brisa de verão que refresca tudo....
e vou longe...lá onde os olhos ainda não enchergaram, nem as narinas respiraram....
lá onde eu nem imagino chegar...
quem sou eu,
não atrevo dizer, pois sou tudo, pois já sofri de amor,
já chorei assistindo filme e comendo pipoca....
ri quando não conseguia chorar....
já fui patética, e ás vezes ainda o sou...
meu travesseiro conhece meus sonhos e pesadelos,
meu coração não!!!
meu cupido éh burro...talvez seja meu coração....
o tempo passou por mim um dia, em sua velha canoa...
indagou o que eu fazia....
procurava o amor, mas como o encontraria??
"Lay your head on my shoulder
everything is gonna be alright baby dont you cry
dont you worry bout a thing i see a rainbow at the end
its gonna be alright...."
eu, um misto entre sou, e o que fui, o que sou e o que quero, entre o que sou e o que quero ser....
uma sombra da realidade que rodeia,
um resquício do que sou do avesso....
bem bonita, ou legal, ou inteligente...
"mulher é desdobravel. Eu o sou"!

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

planar...


Lara, Lara,
leve lara,
uma branca pena
que cruzou o céu da
minha existência...



Um planar macio,
leve,
devagar....
como as árvores que balançam ao vento...



lara,lara, doce lara,
seu voar cessou,
num suspiro...
e repousas em

pálidas flores...



te vi passar suavemente,
te vi sumir no horizonte...
lenços brancos de saudade para ti acenam,
certeza de lembranças eternas...



lara, lara,
inesquecível lara,
seus dias permanecem nas memórias,
sua voz dissipou ao vento,
e agora compõe lindas flores...



Lara, Lara
pra sempre, Lara...



* saudades eternas...
descanse em paz, com Deus...
--------
****
O dia demorou a amanhecer...
mas logo, o céu abriu-se
esplendorosamente
para recebê-la...
Larinha, mui amada por Deus...
"...tenho certeza que vou te encontrar,
não sei o dia nem a hora,
mas sei o lugar,
sei que você está bem, e mesmo assim,
isso não me impede de chorar..."
A tempestade e o sol-Banda Catedral

terça-feira, 30 de setembro de 2008

carta-garrafa


Remeto-te esta carta,
não sei onde vai chegar....
onde estás tu, amor perfeito?
quando virá me encotrar?

Minha essencia em ti trescala,
cheiro fresco de amanhecer.
Imagem espelhada de mim
nalgum lugar além do horizonte,
apressa-te em me encontrar...


sei que o mar vai banhar os teus pés,
e servirá de correio entre mim e ti...
grande distância, de grandes ondas,
que se estendem pregiçosamente na imensidão azul e profunda.


Quem és tu amor perfeito,
onde te escondes?
apressa-te em me encontrar...

Declaração precipitada,
de alguém que sofre por esperar...
minhas lágrimas aleitam o oceano,
e minha tristeza salga o mar....
estou perdida neste grande mundo,
será que podes me achar?
Quem és tu amor perfeito,
me diga quem és, que já não durmo...
apressa-te, que já não sei
o quanto posso esperar...

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

borboletas ditas




de novo o coração bate mais forte


a barriga cheia de brisas


mãos geladas, calafrios...


os lábios falam o que o coração tenta esconder...


os olhos desesperados vem e vão sem saber o que enxergar....


as mãos desenfreadas,


escrevem, o que não quero admitir:


cabeça age sem pensar...


um arrepio percorre a espinha


e versos se fazem devagar...


da boca saem borboletas coloridas...


palavras em desatino!


abro a boca e deixo escorrer


todo esboço de ideias e pensamentos...


e me sinto livre....


e me sinto esvaziar....


estou como as cigarras, que morrem de tanto cantar....


minhas pálpebras cansadas testificam os sonhos roubados,


a madrugada em versos e pensamentos,


o nascer do sol, que não me despertou para hoje!!!


Loucura de viver,


de não saber o que fazer,


de deixar o cérebro, o corpo, o coração agirem por si só!


mesmo se correr, ou se ficar,


não há saída, a não ser escolher onde andar...


o tempo passa....


tempo,tempo,tempo,tempo....


incessantes horas, segundos, momentos se sucedem ininterruptamente


e eu aqui, levada pelo vento....


as árvores não sentem o tempo...


as brisas carregam os desejos...


meu olhar, e minhas certezas, se perdem no horizonte...


não há como fugir!

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

apenas poeira...

já tentei escrever mil coisas,

mas nada sai de concreto,

só uma poeira densa,

que cobria algum móvel antigo com cheiro de mogno...

só uma fuligem,

da lareira acesa no inverno passado...


nada fresco, nada novo,

só o gosto de café-com-leite,

sem açúcar....


tem ainda, algo muito escondido,

ouço um barulho dentro de um velho guarda-roupa..

tem cheiro de naftalina...

algum verso se esconde...


sei que está aqui, dentro de mim,

prestes a ser escrito,

mas ele prende-se à goela,

engasgando-me...


a língua, ansiosamente espera,

o momento de inundar-se,

com misteriosas palavras

o momento de libertar a alma, de palavras tão

infecciosas...





*putz, será que dá pra entender alguma coisa????

pra mim faz muito sentido...

terça-feira, 9 de setembro de 2008

versos sem conexão



O vento sopra meu rosto trazendo toda uma gama de idéias e pensamentos...

leva consigo também, um misto de sentimentos, e palavras, e versos que rescendem na minha áurea, como o calor que emana da pele...

agora o vento vai longe....

meus versos vão longe....

rodam o mundo e retornam diferentes, encorpados...

cheios de mistério e encanto....

mil impressões distintas, mil arrepios, mil essencias...

versos que nunca serão falados ou escritos....

nunca serão interpretados, só sentidos....

pela alma, de quem está atento,

pela espinha, num arrepio,

pelos olhos de quem sonha....

as ondas do mar molham os meus pés....

uma baía acolhedora é meu coração:um porto seguro....

a tempestade cai em meus olhos, mar aberto,

e minha boca, uma vazante de versos....

estendo a mão e toco uma estrela...

quente como uma lâmpada....

sua luz cintila, e não há interruptor...

circuito fechado todo o tempo, até que os anos, concentrem toda a matéria num ponto denso,

e ela não brilhe mais...

porém sua luz, percorre o universo...

sim, a estrela é eterna,

sua luz é eterna....

os meus olhos cintilam como estrelas....

tão doces...

olhos doces e rebeldes como o mel silvestre...

agitados como o mar de ressaca....

atentos a qualquer movimento.....

piscam ao vento...

danço com vento como se ouvisse música...

os pés em rápido compasso, e as mãos acompanham o vento...

o coração...tumtumtum,

marca o ritmo apressado:

é verão, é verão

no coração de quem sonha,

de quem traz dentro de si,

todo o litoral....

quinta-feira, 4 de setembro de 2008


É HOJE!!!!!!


Léo Gonçalves....
19:30 em IOS city....
como eu esperei por esse show.....
que o SENHOR abençoe infinitamente a vida do LÉO, e que esse culto,
seja cheio da presença do SENHOR JESUS....

"... e hoje sou livre, pois ELE vive, ELE vive, ELE reina em mim,
morte, pecado, foi derrotado, e eu sou livre, eu sou livre enfim, de mim...."

domingo, 31 de agosto de 2008

nova imagem


acabei essa imagem em tempo recorde....

pra extravasar um pouquinho....



Um brinde ao fracasso!!!!

Este se ergue sobre nós como uma estátua firme e gélida de marmore....

seus olhos fixos a mirar-te, a insultar-te, a inquerir-te....

ôh doce fracasso....
desce quente pela garganta....

provocando um misto de terror e choro,

de derrota e vulnerabilidade....

chega pesado no estômago....

suas raízes se aprofundam envenenando e destruindo....

arrebentando tudo que tem por dentro....


rárárá
centelha convulsiva e delirante, que me faz pensar num futuro...incerto...
será bom???
rárárá
a cicuta que matou Aristóteles...e tantos outros delirantes...
isso, todos sonhadores, pensadores, iludidos, cretinos, vigaristas!!!!

O quê Fernando????

o poeta é fingidor????
sim, finge ao mundo, finge a si mesmo....

uma hora a máscara cai, e vc percebe quem realmente é....
quase acreditei que tinha uma chance...
quase me arrisquei a cair de novo....
a realidade é mais cruel do que eu imaginava...

Deixa-me então recolher-me à minha ignorância, e passar o resto dos meus dias....
eu e meu QI minusculo...

será que eu tenho um QI????

estou entorpecida com tais pensamentos...
.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Apaixonada por Ti...





JESUS




Sem Ele minha vida não seria nada!!!!


Estou apaixonada sim!!!E, mais do que uma declaração de amor, quero que minha vida esteja aos pés do Senhor a cada momento...


ôh Senhor, amado meu, rocha minha, meu refúgio e fortaleza....


descanso e águas tranquilas....quero mergulhar em teu imenso amor.....sem profundidade, sem comprimento, sem altura, sem largura.....


quero estar em teus átrios cada instante da minha vida!Apenas um minuto, um dia são muito pouco!!!!quero toda a eternidade ao teu lado!


em ti há vida, há consolo....


Amo-te meu Jesus...


"Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor."


Romanos 8:38-39


hoje só tenho isto a dizer:o meu amor por Jesus....se vcs, leitores silenciosos, ainda não conhecem essa verdade, experimente....o amor de Deus é tão maravilhoso...Ele vai marcar a sua vida.


Se vc já o conhece, aproveite este momento para declarar o quanto Deus é importante na sua vida!!!!


Arrivederci





.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

pensamentos soltos às brisas

uma leve brisa toca o meu rosto agora...
será a felicidade, tão suave e repentina....
não, é a penas o tempo que bate as suas asas mágicas para longe....
um arco-íris acende no céu, e eu quase consigo ver além do horizonte...
queria ir nas asas do tempo...chegar mais adiante...
meu rosto pintado cria expressões emblemáticas na terrível peça que enceno com o destino...
e meus sorrisos voam....meus versos fluem....
meu travesseiro conhece meus sonhos e minhas canções....
meu violão ressoa tudo o que sinto e o que sou:
um arpejo, um acorde profundo que percorre o infinito!
bebamos cavalheiros, bebamos....
a essencia do que somos trescala....
bebamos todos os sonhos do mundo!
e neste momento muitos sonhos são jogados no espaço....mais ainda são jogados no esgoto...
tantos sonhos perdidos no mundo!
Porém os meus sonhos são grandes, frescos, nada tem de hipocrisia....
meus cabelos crescem com o vento
o jasmim róseo floresce no quintal, as bananeiras dão frutos...
minhas palavras e versos formam lindos cachos que se alimentam do dia!!
Ah o dia...
o dia e suas nuvens carregadas de água, de vida....
a vida cai sobre o chão , e sobe o cheiro de chuva....de terra.....
e as sementes germinam, e nascem, e crescem, e se abrem em flor....
e as formigas cortadeiras fazem festa, por se alimentarem de algo tão perfumado!
Meu coração e suas pesadas gotas!
grandes gotas, abundantes gotas de solidão....
inspirando versos e cançoes....
aleitando o rio que esculpe o que sou!!
grossas gotas de paixão,
que aplico à tudo o que faço!!
Como será o amanhã?- pergunto às cores do horizonte....
mas não tenho resposta, porque o amanhã não importa!
o hoje é suficiente.
hoje me sinto sozinha....talvez amanhã eu encontre a felicidade.....
ou, um novo caminho quem sabe?!
...

domingo, 10 de agosto de 2008

Fazer um pai feliz: não tem preço...



Dia dos pais!!!!
Prefiro amar o meu pai todos os dias!!!!
* sem muita criatividade hoje...... na verdade só uma angustia rouca, uma tristeza dolorida....
EU menor que o MUNDO)
Para todos os leitores silenciosos, uma boa noite!
Áh, crédito meu na imagem!!!!
Decidi editar o post e escrever uma coisinha:
A gente passa a vida toda pra descobrir como um pai é importante!
a solidez do caréter vai construindo-se ao longo do percurso, e molda-se a partir de exemplos próximos.
toda essa frase formal e filosófica, é só pra dizer como
tenho sorte de ter o meu PAI!!!
Devo todos os meus valores a ele.
Pai do céu, obrigada pelo meu pai da terra!!!
Hoje e sempre no meu S2.....



à parte, todo esse discurso meloso e piegas,
queria comentar algo que sinto agora....
uma angústia enorme!
como me sinto egoísta!o mundo sofrendo, pessoas morrendo,
e eu aqui, estática, chorando mágoas e dores idiotas....
achando que meu sofrimento é grande!
pretensão de poeta de quinta!pretensão de quem não conhece a realidade da existência!
Neste momento me sinto impotente,
tenho apenas algumas palavras pra fazer valer o meu discurso!
O capitalismo doentio, cruel se nutre do sangue dos insignificantes que ralam para ter um pouco de comida....
a poesia se nutre do veio humano....
da mágoa, da opressão da dor....
neste momento, não quero a poesia, como um vocábulo funesto, ou uma idealização de uma realidade esparsa......
não quero o vazio de sentidos....não quero evidenciar o meu interior......
quero apenas dissecar a profunda ignorância, a profunda miséria à qual estamos mergulhados,
ao estado de topor social....
A violência tornou-se banal.....a humanidade tornou-se bossal....
ninguém mais se impórta com nada, a não ser com suas vidinhas estúpidas....
vejo à frente uma geração massificada, sem ideais, sem graça....
o que será o futuro????
Hoje somos coisificados....seres programados....seriados....
Hoje o ser não mais importa, pois todos tornaram-se fúteis...
o coração está diminuindo progressivamente e
estamos caminhando para a mecanização do homem!

terça-feira, 15 de julho de 2008


O tempo passa e eu nem percebo.....

parece que o vento está mais devagar???

"talvez seja o seu relógio", diz um homem apressado.

e eu continuo a andar!

olho o céu, o sol parado, o que posso fazer????

andar em círculos, passaos longos, correr, correr, correr....

mas o tempo passa preguiçoso, e os ponteiros tão devagar, que nem a mil por hora,

eu conseguirei chegar....

no futuro, incerto, no fim belo,

ao lugar onde deverei estar.

O fim que é o início de um novo começo,

que será o caminho para um novo fim!

E o que fazer meu Deus, que desespero!!!

olho o relógio, e o tempo não passa!!!!

apenas um sentimento em mim cresce, e a minha gestação parada!

só um feto enraizado....com projeções em toda minha alma....

Meu coração bate apressado,

porém o tempo anda oscilante,

tentando quebrar a força centripeta que o prende,

no movimento circular do mundo....

o mundo, este gira, gira, gira....

e o tempo parado.

o sol parado....

meu coração acelerado!!!

Quando vou chegar????pergunto eu,

mas ninguém respondeu!

chegou a noite, e a lua em posição de meio-dia,

falta apenas meia-noite

para amanhã chegar....

a lua brilha, a mata canta, e eu no caminho, espero o tempo passar.....

e ele passa, devagar mais passa,

e a luz já chegou lá!!!!!

O metrô vai devagar também,

logo estarei na proxima estação,

minha bússola encantada parece certa, apantando uma direção,

essa bússola é o meu coração....

Alguém pergunta, "e este trem, pra onde vai?"

digo "isso não importa, a rota é você quem faz!"

continuo o caminho sorridente,

e passam-se dias e mais dias....

a minha bússola continua certa.

não me pergunte você, leitor curioso,

onde por ventura pretendo chegar....

pois essa resposta nem mesmo eu sei,

apenas sigo a direção que meu coração aponta....

"e se por acaso ele falhar....

e o tempo não começar a correr????"

não sei!!!

a gente passa a vida correndo, achando que as coisas acontecem dali a um segundo....

mas não é assim!!!!

O caminho é longo, a estrada é difícil.....

existem bifurcaçoes e destroncamentos....

E o piloto do Destino parece não se incomodar com o tempo devagar....

Será que é de proposito que o tempo não quer passar?

e ele diz que não

"Por essas bandas é sempre assim, tem coisas que demoram para acontecer."

E a estrada à frente

se abre num lindo horizonte,

se estende milhas e milhas,

por sobre esses montes.....

Agora descanso, e espero....

o cérebro parece queimar....

A incerteza é que maltrata, o que devo pensar????

e pensar eu posso....pensamentos tão rápidos, que num segundo,

posso analizar o mundo!!!!!

mas a melhor resposta ainda não encontrei.

Destino, qual a melhor opção,

dá uma idéia, que não sei andar por aqui não....

e Ele responde: "Siga apenas o seu coração"

Mas como saberei se estou na direção certa?

"Olhe para o alto, e siga às estrelas, elas apontam o sul, o norte, todas as direçãoes, elas sabem onde é todo lugar"

Obrigada, vou descer na próxima estação....de lá posso ir à pé, e seguir a direção da constelação...

"Mas que constelação é essa, menina esperta?"

A costelação da estrela Schedir...

"Vá com Deus, moça bonita, aproveita a estrada, aprecie a vista...pare, converse, pra quê ter pressa???O final da estrada é prá lá, ele não vai sair do lugar....mas se não sabe pra onde quer ir, chegue até o final, se lá não for O lugar, volte para cá, e pegue outro caminho."

O tempo ainda devagar, mas se há tempo para todas as coisas,

esse é pra eu esperar!

E à frente o caminho....o relógio parado, o sol brilhando à pino,

e meu coração palpitando: é para lá, é para lá.






sexta-feira, 30 de maio de 2008

A floresta


Faz frio.

A floresta densa, escura cresce como um organismo vivo.Faminto.

Está tão úmido....
Vários sons assustadores ecoam para o céu.
a lua se esconde sob as nuvens....
agora, a mata fechada parece ainda nais assustadora. Os galhos retorcidos parecem reais.
Suas sombras mechem-se como monstros prestes a devorar qualquer coisa pela frente.
TUMTUMTUMTUM....
coração a mil por hora....
o tempo apressa-se em encontrar o destino a tanto esperado.
um vulto confunde-se com as sombras...
e ele cresce, com o medo, ganha corpo, e revela a imagem de todos os medos do mundo....
Agora não há mais como fugir, como correr....
isso seria fracasso, ser condenado a uma vida de humilhações....

Mas faz medo, ninguém ao redor, apenas a floresta e suas árvores sombrias...
as estrelas testemunham o que está para acontecer...
uma revoada de passaros assanha a mata, e os macacos uivam eletrizados....
parece que toda a floresta acordou, e prepara o ritual....
mil tambores ...
as árvores balançam, o vento sopra

e....

estou sozinha, com medo....
tenho que provar estar preparada....
ninguém pode ajudar nessa transição....
parece tão escuro e frio...
apenas uma flecha separa do destino tão essencial.
apenas um golpe.
certeiro.
nessa busca pelo caráter, valores, honra...tudo que é preciso para crescer.

Em busca de uma fera que só eu posso encontrar.

Agora só existe o instinto e a respiração....
tenho que esquecer os medos, as lendas e aniquilálos....
busco essa fera, vasculho dentro de mim e tremo.
auto-afirmação, confiança...
Agora não sou mais criança, tenho que provar a todos que não tenho mais medo, que sou adulto,
ganhar a confiança da tribo.....
Nenhum som se faz mais ouvir e atiro....



o primeiro raio de sol ilumina a floresta, e vejo o que não podia ver.....
a mesma floresta dos tempos de criança,
as mesmas árvores, os mesmos sons.....
e espanto....
nada havia a temer.
a fera, que povoava a criatividade, e alimentava o medo
era mais feroz na imaginação.
O lago....


espelho-me no lago e vejo o que mudou.....
nada de mais....

algumas marcas no rosto,
provenientes da batalha a pouco ocorrida,
e algumas lágrimas da dor....
porém, na mente, uma mudança incrível, um amadurecimento espantoso.
como a escuridão, a incerteza cegam a gente, e nos fazem tão inseguros....
com suas sombras, escondem as coisas, e as fazem parecer tão temíveis.....
mas o dia com sua luz, vem nos mostrar que não há o que temer....

A floresta, agora clara.
suas folhas brilham cristalizadas pelo orvalho....
amanhece, e os animais ainda dormem....
o coração, tumtumtum....
e os passos devagar.....

a infãncia permeia as lembranças:
aquela árvore,
aquele tronco
aquela pedra....

tudo continua igual,
mas eu não voltei a mesma....
voltei transformada......

não tenho mais medo da floresta...
da noite....
das sombras....
a floresta é um aprendizado,
um momento de transição....
saímos diferentes, mas ela nunca muda....
Ahhhhh a floresta!
Ocorreu um erro neste gadget