quinta-feira, 2 de julho de 2009

Sem título

Nem sempre se tem inspiração...
Às vezes, a gente espreme, torce o coração pra enxugá-lo das palavras,
e no fim das contas,
era só sangue...
Nada poético,
nada que alivie as inconstâncias,
as preocupações,
a ânsia antropofágica de poesia fervente
ainda borbulhando,
e que queima, que machuca,
que enfia o dedo na ferida infectada,
e ainda ri dos medos...
Nessas tantas vezes,
que me encontro frente à folha vazia,
como um espelho,
um reflexo de mim,
espaços brancos,
entelinhas invisíveis,
admiráveis mudas palavras
escorrem derretidas,
até ensopar meus dedos dessa semântica aguada...
Semi-preenchida de nadas,
é apenas uma folha intacta,
sem inspiração,
sem blues,
sem corações nos cantos da página...
Só há a angústia devidamente calada,
da sensação do frio,
das mãos congelando inertes,
da mente estacionária,
do coração que parece parado,
feito quartzo transparente...
Poesia incolor de inspiração dormente,
amortecida pelos meus olhos cansados...
PS: o título : SEM TÍTULO é realmente o nome do texto...rsrsrsrs...

Um comentário:

Rayza Santiago disse...

interssante =D
e otimo tbm ne ? pra variar.

tu sabe usar as palavras certas nos momentos certos =D

duvida, tu escreve no word ou em caderno ?

bjo

Ocorreu um erro neste gadget