segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Casa...

A volta para casa, é sempre uma nostalgia,
daquelas que chegam a nos causar sono.
Cada cheiro, remota lembranças adormecidas,
nalgum lugar da mente atarefada.
Minha sensação sempre,
é que colocando os pés em casa,
todos os meus problemas vão sumir,
desaparecer,
e poderei ser, mais uma vez, a criança livre que corria pela casa.
Mas,
quando chego de fato,
e vejo-me confrontada com tudo que fui,
ou tentei ser,
entristeço-me.
Talvez, por não ser mais como era antes,
e sinto culpa,
por não ter mais vontade de mudar.
E dilacero-me em maldizeres, por ter de esconder o olhar
que agora tenho,
pintando de branco o carmim das opiniões.
Minha alma ainda é inteira,
embora minha mente não,
e enlouqueça com as dúvidas que brotam
do conhecimento que se enraiza...
Acaba, que por fim,
meus olhos avistam novamente a estrada,
e a nostalgia passa,
minha casa será novamente saudade,
e os problemas adormecerão, fatigados com a minha falta de tempo.
----X----X----X----
Ah, o cheiro de casa,
o aconchego que parece abraço,
o conforto que me falta,
em meio à correria e falta de tempo.
A vontade de ficar,
e ser embrião de novo,
no lar,
construindo sonhos,
e fazendo planos de futuro...
A vontade de não partir,
de permanecer com o tempo parado,
sentindo o vento do ventilador,
que enche o vazio das tardes com gosto de doce.
A vida era mais fácil em casa,
com todas as suas regras,
e paradigmas,
quando a preocupação era ser somente o que se era esperado,
e calar as verdades proibidas.
Dá vontade de correr pela casa de novo,
tomar bronca por ter molhado o banheiro,
ou não ter lavado os pratos,
para assistir TV.
Agora,
a casa é só saudade,
quando me vejo novamente na estrada,
e todos os desafios me esperando depois do horizonte.
----X----X----X----

PS:
Desculpem-me a demora para escrever. Estava fugindo deste momento.
Minto! Tentei ainda, digitar algumas coisas, que me pareceram sem sentido.
Eu fugia disso: de ter de confrontar-me com as coisas que me causam medo, e ainda, com a poética que parece esconder-se de mim a cada momento.
Fiz esses dois textos, mas coloco-os com receios... Digitei-os, e não analizei muito a estrutura, ou a gramática. Nada! Se fosse fazer isso, não os colocaria, e deixaria para amanhã a tarefa árdua e torturante de tentar escrever alguma coisa. Outro dia passei 3 h olhando para a tela do computador, sem coragem nenhuma de iniciar um texto (talvez seja um eufemismo, e eu estivesse mesmo era com medo de assumir o que tenho a dizer).
Sabe, amor,
tenho saudades do tempo que tinha certeza do que significavas.
Agora, tiro o luto do amor que adormeceu,
definhou até a morte,
e morreu levando minha poética mole e superficial.
Senti o medo, senti a dor da perca,
da despedida,
da partida,
das palavras que não foram ditas,
e os esclarecimentos que não passaram de pensamentos.
Agora, tenho alegria nas tardes,
e no pôr-do-sol que anelávamos,
e lembro com carinho das histórias que nos guardavam dos perigos.
Meu coração, agora,
se liberta, da lembrança,
e embarca na nova aventura que o amor lhe presenteou.
Com muitos medos, claro,
e não sem lutar contra,
sem se debater,sem se proteger,
mas foi tomado, se rendeu,
e pode ainda ter alegrias, esperança...
Agora, amor,
deixo-o com as saudades,
e com a lista das coisas que queríamos fazer,
com os planos,
com o que construímos sutilmente...
Vou VIVER meu devaneio!!!
(talvez fosse isso...)

7 comentários:

Sunshine disse...

quando a preocupação era ser somente o que se era esperado,
e calar as verdades proibidas.
Dá vontade de correr pela casa de novo,
tomar bronca por ter molhado o banheiro,
ou não ter lavado os pratos,
para assistir TV.
Agora,
a casa é só saudade,
quando me vejo novamente na estrada,
e todos os desafios me esperando depois do horizonte


Ninee!!vc sabe expressar com palavras ,tudo que fica preso em meus pensamentos...pra mim tb tem sido assim amiga!
muito bem escritooo...adoreii1

Marcelo Mayer disse...

o cotidiano nos assusta, mas tb nos traz boas recordações. daquelas broncas pro ter tirado nota baixa hoje são inesquecíveis e de enorme alegria

ERICK MOURA disse...

ja tava agoniado com o fato de entrar aqui e nao ver os belos textos,(coisa que sempre acontece quando venho ler.)
entendo que as vezes fica dificil de postar algo legal.

bem, vamos ao comentario do texto.
AMEI o texto CASA...
voce falou coisas que sinto quando entro na minha casa e tiro o tenis.
me sinto seguro, e com menos problemas.
e outra coisa que voce falou que é verdade, A SAUDADE DE CORRER PELO CORREDOR, E LEVAR BRONCAS (as broncas ainda levo :D)
AMEI O TEXTO NINE, o segundo texto eu gostei tmb, mas é pq o primeiro me fez ter lembranças... :D

bjao pra tu sua menina.

ERICK MOURA

♥Lilinha♥ disse...

Nhaaaa num some mais naum XUxu
amo seus textos, são lindos
esses intaum, nem precisa falar né?
arrasou gata!
num sei criticar poeticamente, mas sei dizer e adoro ler isso!
bjuuuus ^^

Evelyn Colly disse...

''Senti o medo, senti a dor da perca,
da despedida,
da partida,
das palavras que não foram ditas,
e os esclarecimentos que não passaram de pensamentos.
Agora, tenho alegria nas tardes,
e no pôr-do-sol que anelávamos,
e lembro com carinho das histórias que nos guardavam dos perigos.''

Como pude sentir as emoções que tuas palavras passaram-me.
Senti cada uma como uma parte familiar de mim. Tuas palavras consseguiram arrancar o choro que matutava em meu peito querendo transbordar, mas meu orgulho e frieza não deixavam, mas tu e teus versos consseguiram.
A dor das lembranças, aah como sei o que é senti-las e não poder ter controle e defesa sobre isso.
Sei das despedidas, e das dores, sei também um pouco da dor que sentes e pude senti-la ao ler teu texto.

Adorei teu blog, sempre que puder passarei aqui.

beijos.

QueL MoraeS disse...

Aiii, Nine,depois tu ainda diz p eu ir p Conquista,né?! xD
A casa,um dos melhores lugares do mundo; nos guarda de problemas tão grandes que estão lá fora, nos salva de perigos (como o de ser "atropelada" por um ônibus maluco...)tão frios...Casa, lugar de gente de verdade, sem maquiagem, sem salto alto, ainda de gente que invade,entra pela janela na família, nem q seja para aprender física, matemática ou biologia (e ainda aprender de futebol e história com outros invasores xD)...
Continua escrevendo assim q eu excluo omeu blog!xD
Quando crescer, quero escrever qnem você (e que nem o Márcio e a Beta!)!!
SDD enoooorme!

Que venha o SimBio (e as minhas últimas avaliações!)!

Beeijoo!

QueL MoraeS disse...

P.S.:
Uhuuuu! Palmas p o seu P.S. !xD
Quanta coragem em dizer isso...
Superar o recaio não é fácil.
Vai VIVER! Bom que o seu "coração se liberta da lembrança", e o passado só serve de sorrisos visto o amadurecimento que todas as letras causaram.
Que venham novos tempos,novas marcas (sempre),novos e incríveis textos,novas tardes conversando e tomando sorvete e novos papéis nos bolsos das calças jeans! \o/
Beeeijoo!

Ocorreu um erro neste gadget