quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Dois textos loucos e sem título

Lembra que a gente escolheu o mundo,
e que não queríamos ficar limitados a uma vaguinha apertada para dois?
Queríamos ser infinitos, imensos!
Queríamos viver o devaneio, cansar os pés de tanto andar para o horizonte,
tentar descobrir onde a terra se junta ao céu.
Vimos o sol, de nossos domicílios distantes,
e nos contentamos com a globalização do contato a longa distância.
E acabou, que nossos mundos se separaram.
Acabou não, começou,
e o meu (mundo) explodiu,
se tornando uma constelação inteira.
Não preciso mais da sua estrela Shedir!
PS: Por falar em nostalgia, deu vontade de relembrar.
Mas, reminiscências não fazem bem, acabam por envenenar a alma de uma angústia louca, e meio sem razão.
Não para quem não tem mais motivos para sentir saudades.
---X---X---X---X---
Amo me irritar com seus defeitos,
com sua forma meio vagabunda de levar a vida.
De não se preocupar com nada,
muitas vezes me deixando até de lado.
E eu, com a pulga atrás da orelha,
fico imaginando, qual seria sua intenção.
Fico imaginando como seria nossa primeira briga,
mas você é desligado demais pra se irritar com minhas ironias,
e calmo demais pra ligar para meu nervosismo injustificado.
E quando eu ensaio qualquer discurso,
para te dizer de vez minha angústia, meu desvelo,
perco o fio da meada no primeiro beijo do dia,
que vem cegar meus instintos,
e me deixar esperar por outro momento para as queixas.
Amo também, ter que reclamar das tuas faltas,
e ver você rir gostoso, do jeito que eu adoro,
fechando os olhos, e dizendo que eu me preocupo demais com coisas insignificantes.
Gosto quando me liga,
e fica receoso de chamar 'meu amor', e ainda se perde no meio da conversa,
com um 'meu bem' meio rouco.
Amo como você me deixa intrigada, pela falta total de ciúmes,
como não fala das minhas roupas,
nem se importa se alguém fizer alguma gracinha. Me pego às vezes pensando
se realmente sente algo, pois nem chega a falar,
ou a demosntrar de qualquer maneira.
O fato, é que a gente se misturou,
ao acaso, e deu tão certo,
essas nossas desavenças,
que desvencilhar do abraço,
e embarcar no cansaço,
já não é escolha válida.
A gente quer mesmo, é se levar naturalmente,
sem ter que conversar abertamente,
nem delimitar regras ,que no fim das contas, só servem para serem quebradas.
PS: São dois textos DISTINTAMENTE diferentes.

5 comentários:

Tatiane Trajano disse...

Lembra que o plano era ficarmos juntos?

Hoje eu deixo em mim um espaço pra sentir saudades.

Dose dupla nos textos, e gosto!

Beijos

***MissUniversoPróprio*** disse...

"Vimos o sol, de nossos domicílios distantes,
e nos contentamos com a globalização do contato a longa distância.
E acabou, que nossos mundos se separaram."

Não quero isso pra mim...

=(

Flor, um beijo, viu?

Marcelo Mayer disse...

por isso é melhor não fazer planos. a felicidade planejada sempre traz frustrações no futuro.

Velho Curinga disse...

aodrei. principalmente o segundo :)

obs: comece a ler do primeiro post.

ERICK MOURA disse...

COMO ASSIM? Oo
sobre o primeiro texto, tudo aparenta que vai ter um fim lindo
e derrepente...
"o meu (mundo) explodiu,
se tornando uma constelação inteira.
Não preciso mais da sua estrela Shedir!"

tudo se foi...

tinha que ser tu NINE pra fazer um triste fim sem que venha lamentações. (PERFEITO)

SOBRE O SEGUNDO TEXTO.

você me aparenta estar de bem com a vida né.
fico feliz por isso
se esse texto realmente mostra o que você esta sentindo
aproveite cada momento, e não busque nada que não seja algo pra RIR.

sim, da uma olhada no que eu botei no meu MSN, ta tua frase que tu botou num comentário do meu blog.

saudades de tu sua menina,
bjao e felicidades.

ERICK MOURA

Ocorreu um erro neste gadget