domingo, 4 de julho de 2010

Bananas, tomate, chocolate, Vinho e Você

à L.C.

É você quem me faz sorrir, quando eu busco uma centelha de esperança,
ou alguma graça que valha,
na vida,
a pena que gasto com tantos poemas.
É em você que me perco,
dividindo todos os dias o abraço que me segura,
quando as pernas querem bambear,
desmoronando com vida e tudo até o chão.
Sorrio teu riso com gosto,
porque tem gosto de canção, e me preenche por completo,
inteiramente por dentro,
sem deixar espaços para as lamentações cotidianas.
E gosto,
porque não preciso munir-me de máscaras, ou enjaular-me numa capa obscura de hipocrisias.
Deixo meus olhos à mostra, verbalizando a cada segundo, como língua descontrolada, vertendo todos os segredos de dentro, e que te dôo, sem medos.
Liberto-me, e canto, e deixo exalar a poesia tão cotidiana que tanto anseio: a que vivo, sem receios, a que me faz sentir empiricamente cada palavra não dita.
Canto teu canto de encanto doce.
Ouço tuas sílabas incorporando-as ...
Desenhando-as na minha mente, uma a uma, como tatuagens dos dias que transcorrem apressadamente.
Amizade para sempre,
amor que não se acaba(rá) nunca!
PS: Obrigada pela Serotonina.

3 comentários:

Priscila Rôde disse...

"Liberto-me, e canto, e deixo exalar a poesia tão cotidiana que tanto anseio: a que vivo, sem receios, a que me faz sentir empiricamente cada palavra não dita."

Tão eu! :)

Anônimo disse...

Haaaaaaa, minha brother! Que fazer o gigante chorar é? :}

(F)
sempre sempre...

Brendon Burjack disse...

Que lindo!

Ocorreu um erro neste gadget