terça-feira, 8 de setembro de 2009

Lamparinas do juízo

Eu vi a morte bem de perto.
Mas, não houve música, ou filme de memorias.
Só o medo.
E ainda o tenho.
Pode ser exagero da minha parte,
mas tomar uma pancada na cabeça,
isso de um ônibus em movimento,
não é agradável.
Doeu muito, mas me controlei para não chorar na frente das pessoas,
Mostrei-me forte para os amigos,
e continuei fazendo piadinhas.
Dentro de mim, o medo de perder algo que aprecio muito,
a inteligencia.
De perder as oportunidades,
ou de não poder viver tudo que queria...
(melodramático, eu sei... Mas a dinamica do cerebro é conhecida minha...)
Tive medo, e ainda o tenho...
Um desses médicos de emergencia, nem me olhou, e passou remedio pra dor...
Me deu alta!
Agora eu aqui, sem saber o que pensar...
Ahhh,
senti perto a morte,
e temi...
Temi pela vida que nem descobri ainda,
pelo que mais apreciava em mim,
pela normalidade que estava acostumada...
Amanha posso não acordar,
(não acredito nisso...)
e não tenho nada pra deixar pra ninguém...
Se acordar, acordo com meu proprio vazio,
minhas proprias queixas,
e vou seguir a vida,
com um pedacinho da cabeça marcada...
PS: Depois posto poesia... Beijos amigos...

4 comentários:

QueL MoraeS disse...

Será que o impacto não levou mesmo os últimos fiapos de juízo desta tua cabeça?
Quando parar de doer eu posso rir? É que não consigo entender isso ainda...

E que história é essa de não deixar nada para ninguém?
Se fosse hoje o dia de partir sem passagem de volta no bolso, deixarias patrimônio tão especial.
Não me refiro a papéis que ficariam nos bolsos, um dia ou outros lidos, nem a origamis colados na agenda; a herança deixada seriam as faces marcadas por lágrimas secretas, ora de tristeza, ora de alegrias, o som de violão que ainda ecoa pelas ruas, as risadas na hora da aula, os sonhos (bem malucos) compartilhados, as frases entalhadas no coração... deixarias a memória de tantos cheia de momentos incríveis, silenciosos ou barulhentos, cheio de brilho e luzes coloridas.
Este é um patrimônio que não fica empoeirado, nem esquecido nas gavetas, ou manchado,de tanto ir dentro do bolso da calça jeans para a máquina de lavar. Para que melhor?
Agradeço a Deus por todos os momentos que passamos juntas.
Se hoje fosse o seu ou meu dia, saberia que tinha alguém com parte de minha memória nas mãos.
Saudade demaaais²!

Daniel disse...

Vc realmente sabe fazer cara de durona! rs
Um indivíduo inteligente e sem emoção é um psicopata!rsrs

Continuaria te admirando mesmo "acéfala", se conservasse a sua personalidade!!

Não viver tudo o que queria? Carpe diem sempre...

O mundo não é normal, é caos total e isso pode ser ao mesmo tempo assustador e maravilhoso....

Já colhi frutos do seu jardim,
degustei e metabolizei em energia do bem!

Que a experiência pós-quase-morte (exagero) seja proveitosa.
Siga Drummond, siga Paulinho Moska (de acordo com o outro comentário)
e acima de tudo siga a Aline que se reinventa a cada instante...

- Tchau Aline
- Oooooiiiiiiiiii Aline!!!
- Peraê, Aline é vc???
- Ufaaaa quase num reconheci!!
- O que tem feito?
- Vc é ou está?

Terra chamaaaaando... ei pode sonhar mais um poquinho e quando voltar materialize os sonhos!!!

Bjos

Myla disse...

karamba Nine tenho medo do seu proximo impacto
as emoções que vieram a tona em torno de batida surtirão um poema imagine se você caisse '

ameii seu poste
beijos'

~~* Lila *~~ disse...

doidinhaa...
a batida na cabeça só a deixou mais poetica kkk
obrigada pelo comentario^^
bjuuus

Ocorreu um erro neste gadget