sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Nascimento...


Os olhos abriram-se num repente.
A escuridão morna e farta, em segundos foi totalmente substituída por uma luz proveniente de alguma fonte desconhecida.
Não podia sentir a extensão do seu corpo indefeso, com as barreiras protetoras do ventre.
Era só ele, e o vento gélido que adentrava suas narinas, queimando como ácido à carne fresca.
Não havia para onde correr, até porque as pernas, não obedeciam os comandos, sem solo firme.
Morrendo de medo, e sem saber o que esperar, abriu os lábios, num choro doído, de quem de uma hora pra outra, vê seu mundo desabar.
Por que acidente aleatório teria vindo, participar sem vontade deste jogo cruel?
Brincadeira perigosa, de se equilibrar na vida, como alguém que caminha sobre a lâmina de uma faca.

11 comentários:

Valéria disse...

Que delicadeza nas palavras!
As vezes olho para o meu filho e penso - o que sobrará desse mundo para ele.

BeijooO1

Tanti Moksha disse...

É sofrido mesmo...

esses dias vi uma reportagem sobre parto na água, médicos disseram que é menos traumático para o bebê e para a mãe.

Luan Fernando disse...

Juliane
Nem sempre é tamanha crueldade, temos que aprender a caminhar.
Beijos

Allyne Araújo disse...

super interessante!! adorei a forma que esta escrita, otimo texto! beijao!!!

Priscila Rôde disse...

E é só o comecinho.. :)

M. D. Amado disse...

"Era só ele, e o vento gélido que adentrava suas narinas, queimando como ácido à carne fresca."

O sopro da vida indelicada invadindo a inocência a ser corrompida. Nada divino... Apenas vida real.

Lindo texto, como sempre e sempre, e sempre... e sempre...

Tanti Moksha disse...

tem um selinho pra ti no meu blog!

busca la
bjo!!!!

Luan Fernando disse...

Juliane
Tenha um ótimo fim de semana!
Beijo

Rene Serafim - "Juninho" disse...

muito belo!

Luan Fernando disse...

Juliane
Tenha um ótimo domingo e uma semana maravilhosa!
Beijos

Marilia Jaqueline disse...

Como é dificil viver, ainda mais para uma criança que acaba de chegar ao mundo!!!!!!!!!!!!!!!!
Belo poema!!

Ocorreu um erro neste gadget