terça-feira, 2 de março de 2010

E o novo sempre vem...

Ontem, foi um novo dia que não percebi.
Estava imersa em passado, quase obscurecido,
e sonhando o depois, que nunca chegou.
Se tivesse reparado, teria visto o céu que se abriu num sorriso de nuvens brancas: fumaça dos milhões de sonhos evaporados durante a noite.
Aí, não reclamaria da chuva, já que a tendência de arrepio, vem quando o beijo morno acalenta a pele fria de dia turvo!
O sol, meio escondido, ainda clareava uns espaços entre as árvores sem folhas, fazendo contornos abstratos no meu rosto,
lembrando as constelações claras que surgiriam à noite, se eu lembrasse de olhar.
Mas anoiteceu, e não vi. Se não tivesse reclamado tanto da dor de cabeça, ou do ônibus cheio para ir pra casa, poderia ter cantado uma canção imaginada instantaneamente,
mixando os ritmos que adoro, e falando de tudo que não faz sentido unilateral!
Mas eu nem vi, e me fechei num quarto de paredes espessas, selando meu desafio, com um fim de dia aguado e medíocre.
Talvez, se não tivesse empenhado-me em construir um verso musicalizado e nobre,
tivesse visto a face translúcida do poema que rondava minha mente, em forma de lembrança constante. Afasteio-de mim, e agora, temo seu espaço vazio, como reposição às queixas exageradas do inconsciente.
E Hoje, o novo dia de Ontem, a expectativa, agora desgastada, do novo sempre em iminência.
E sempre novo, o Amanhã desperta no dia de Hoje, fazendo das vontades, primers* para replicação duradoura de esperanças. Mesmo que o Ontem, estagnado em seu papel de imperfeição desande, e atraque, fazendo do Hoje, apostasia para o sonho, Amanhã será sempre o desejado instante de renovação.
* Primer é um conjunto de bases nitogenadas que orientam o início de uma replicação do DNA. O primer é fundamental para que uma nova cadeia se forme, já que a DNAsintase não tem a capacidade de iniciar a replicação do zero, e só começa a agir em presença de uma base antes pareada. (se alguém não entender é porque fui eu quem conceituou o termo...rsrsrs...mas tá certinho viu!!!). No caso da poesia, as vontades funcionam como um início fundamental para a construção da esperança.

7 comentários:

Kaio Rafael, disse...

Olha...

Eu gostei muito da construção do texto. De como você fez o novo vir se aproximando aos poucos, não só com descrições, mas com o próprio estilo de escrita. E a jogada com o título também foi ótima.

E também a ideia do amanhã como manifestação eterna de renovação enquanto nos renovamos é no agora e não percebemos...

gente, eu gostei mesmo da construção do seu texto. Sem contar seu vocabulário.

Olha, muito bom.

Beijo. :*

Cau Metal Amorim disse...

Fantástico!! Nine XD
adoro quando os termos biológicos são usados pra dar luz a poesia!..

bjo

Valéria disse...

Eu acordo e digo. Mais um dia a juntar a tantos outros.
Quando assim penso, sinto que os meus dias nunca mudam, mas felizmente há outros em que é realmente um novo dia. Eis que surge a esperança.
Hoje esta sendo um novo dia aprendi sobre Primer, perfeito!

BeijooO'

Daiana Costa disse...

Uooouf. Este arrancou-me até uma onomatopéia esquisita! :D
No mais Nine, o ontem sim foi feito para ser vivido, lembrado, e celebrado, pois faz-se do passado, presente quase que todo o tempo.

Bela construção tem este texto, com ótimas reflexões. Um abraço à ti, e obrigada por te ocupar em meu Hemisfério (:

Luan Fernando disse...

Tudo depende da perfeição ou imperfeição do que fizemos ontem para transfomar ou criar algo novo para o amanhã.
Beijos Juliane

Allyne Araújo disse...

Nine, peço desculpas quanto ao comentario do outro post, acho que exagerei, desculpe-me por favor... Texto otimo, como sempre, nossa cientista poeta, essa nine vai longe... Sucesso e um beijao!!!!!!!! fique bem!

Luan Fernando disse...

Tenha um ótimo fim de semana!
Beijos
Juliane

Ocorreu um erro neste gadget