sexta-feira, 29 de maio de 2009

Quem não consegue Improvisar, teoriza...


Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
Como rasgar meu coração,
E espremer até a ultima gota,
O que existe,
De concreto...
Além das saudades, que testificam os sonhos,
Os desejos,
E o amor que sinto...
E não vejo maneira de ser profunda,
E dizer, mais do que eu posso,
com essa limitação fática, e metalingüística...
ah, palavras não podem dizer,
Nem a terça parte do que sinto,
Só calejar algumas idéias,
Por tempo,
Depois tornam-se marcas superficiais...
Mas o que sinto é inteiro,
E não se subjuga, a expressões milenares,
E gastas,
Pouco eficientes,
E esparsas...
Não verbaliza suas considerações,
que são maiores que quaisquer universo semântico,
Lexical, ou morfológico...
Antes, cresce,
E se fortalece,
E enche-me de insistentes versos,
Que casulam metamorfoses musicalisadas,
Meu eu-amante,
Mudo...


Ps: Leitores silenciosos, me desculpem a falta de criatividade, sei que tenho sido massante, nestes teimosos versos de amor; mas, brevemente, postarei coisas a mais...hoje ainda, prometo...

2 comentários:

~~* Lila *~~ disse...

Oieee
tô de volta, adoro as coisas ke escreve! mto lindas
bjinhuus

QueL MoraeS disse...

Assim vc me humilha, né, Nine?!
Falta de criatividade?
Blaaaaaaahhhh!!
Saudades!
BeijO!

Ocorreu um erro neste gadget