sexta-feira, 29 de maio de 2009

Quem não consegue Improvisar, teoriza...


Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
Como rasgar meu coração,
E espremer até a ultima gota,
O que existe,
De concreto...
Além das saudades, que testificam os sonhos,
Os desejos,
E o amor que sinto...
E não vejo maneira de ser profunda,
E dizer, mais do que eu posso,
com essa limitação fática, e metalingüística...
ah, palavras não podem dizer,
Nem a terça parte do que sinto,
Só calejar algumas idéias,
Por tempo,
Depois tornam-se marcas superficiais...
Mas o que sinto é inteiro,
E não se subjuga, a expressões milenares,
E gastas,
Pouco eficientes,
E esparsas...
Não verbaliza suas considerações,
que são maiores que quaisquer universo semântico,
Lexical, ou morfológico...
Antes, cresce,
E se fortalece,
E enche-me de insistentes versos,
Que casulam metamorfoses musicalisadas,
Meu eu-amante,
Mudo...


Ps: Leitores silenciosos, me desculpem a falta de criatividade, sei que tenho sido massante, nestes teimosos versos de amor; mas, brevemente, postarei coisas a mais...hoje ainda, prometo...

2 comentários:

~~* Lila *~~ disse...

Oieee
tô de volta, adoro as coisas ke escreve! mto lindas
bjinhuus

QueL MoraeS disse...

Assim vc me humilha, né, Nine?!
Falta de criatividade?
Blaaaaaaahhhh!!
Saudades!
BeijO!