terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Estrela




Um ponto indistinguível para os míopes,
a estrela distante que brilha no céu escuro abstraído de nuvens.
Clama por socorro, por pena,
ou chama, silenciosamente, um que a atente e perceba a tragédia próxima
da sua luz que extinguirá
Mas, não há o que fazer, amiga estrela,
minha alma já não rutila,
a emprestaria talvez, para conforto do teu desespero,
mas cá eu também enfraqueço.
Aos poucos meu lampejo finda.

7 comentários:

M. D. Amado disse...

Excelente, Nine! "Aos poucos meu lampejo finda."

Pura realidade, poeticamente linda.

M. D. Amado disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Cau Metal Amorim disse...

'aos poucos meu lampejo finda.'
uma verdade encarada por todos nós com o passar de cada dia.
adorei nine!!
bjux..

Menina Misteriosa disse...

Impressionante!
Também escrevi sobre estrelas e sobre como viram buracos negros... onde nem a luz lhe escapa...
Gostei!
Beijos

Valéria disse...

Gostei muito do texto, do blog, que lindo você emprestar sua alma a estrela.

Até!

Juliane S. Rocha disse...

Que a luz da sua estrela não se apague.
É linda a forma com escreve.
Beijos...

QueL MoraeS disse...

Há uma grande diferença, Nine.
AS estrelas morrem e acabou. Podes sim, mesmo que pensando estar sem brilho, continuar brilhando. Perceber o brilho dos outros é arte do observador.
Nems ei o que dizer.
Pensando agora.
Beijo, antes que saia fumaça!

Ocorreu um erro neste gadget